Gladston Salles

O amor é o tudo no nada que somos

Textos


DETALHES DE UM RELAXAMENTO
                                                                        
                                                                          
Relaxou de modo profundo. Enfim conseguiu manter a mente sob controle. E viajou nas asas da águia. Percorreu caminhos até então desconhecidos. Diante de seus olhos, rios, mares, vales e montanhas surgiram de forma fascinante. Tudo era maravilhoso. A visão privilegiada. De repente flores de vários matizes. Campos verdejantes. Árvores frondosas. Rios de águas cristalinas. A natureza exuberante sem degradação. Os homens unidos através dos laços de fraternidade. Nenhum animal em extinção. E passou a voar cada vez mais alto. A sensação de harmonia era indescritível.  Atravessou gigantescas nuvens e sentiu vontade de tocar o arco-íris. Mas a águia resolveu descansar e após diminuir de altitude cedeu lugar à gaivota. E o homem de alma serena prosseguiu em sua viagem benfazeja. Logo avistou o mar. Ouviu o marulhar das ondas. Sentiu a brisa suave. E tocou levemente no golfinho.O azul do mar se confundia com o azul do céu. E o homem naquele estado de êxtase e contentamento voltou a ser criança. Viu-se na praia e catou algumas conchas e achou uma estrela do mar. Sorriu como nunca havia feito antes. Brincou e fez castelos na areia. E novamente se viu no espaço conduzido pela gaivota, quando lá do alto contemplou um barco navegando solitário naquela manhã radiante. Foi quando sentiu o desejo de navegar por mais de sete mares e cinco continentes. E assim se tornou o próprio marujo. E passou a conduzir o barco com enorme prazer naquela calmaria. Ao chegar à terra firme, acenou para a gaivota que já voava distante. E a terra era fértil, daí se transformou num lavrador que plantava boas sementes e colhia bons frutos. Não havia ervas daninhas. Nem mesmo pragas. E morava numa casa simples. Nessa condição, vale dizer, que era imensamente feliz e se contentava com o que tinha.  Não sabia o que era agrotóxico e poluição. Muito menos desmatamento. Amava e respeitava todos os seres e a mãe natureza. E todos os dias bem cedinho agradecia a Deus por tudo e executava com perfeição a “saudação ao sol”.
 
OBS. Saudação ao sol (Suryanamaskar – postura do hatha yoga).
 
 
 
 
 
 
 
 
Gladston Salles
Enviado por Gladston Salles em 07/06/2013
Alterado em 12/07/2020


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras